Essa substância não é muito absorvida pelo organismo, portanto é liberada frequentemente na urina. Os resultados revelaram grandes quantidades de acessulfame-k nas piscinas analisadas.

piscina_02

 Em uma das piscinas, que tinha aproximadamente 900 mil litros de água, foram encontrados 75 litros de urina. Outra constatação curiosa deste estudo é que a concentração de acessulfame-k nas piscinas era 570 vezes maior do que na água encanada.

Segundo os autores do estudo, a urina, quando reage com o cloro, pode ter efeitos nocivos à saúde. Não por menos, é recomendado que se tome uma ducha de um minuto após sair da piscina.

fonte: http://www.jornalciencia.com   por:  Gustavo Teixera